Joias Projeto de Desenvolvimento Tecnológico de Lapidação

Resultado de imagem para produtor de gemas joias

Brasília – Na última quinta-feira (15/07), o Comitê de Joias, Gestor do Fundo Setorial de Recursos Minerais aprovou em reunião realizada na Capital Federal o Projeto de Desenvolvimento Tecnológico de Lapidação Facetada de Pedras Preciosas. A proposta foi apresentada pelo Programa em Rede do Arranjo Produtivo de Gemas e Jóias do Rio Grande do Sul.

O Governo Federal concederá R$ 300 mil para o desenvolvimento do trabalho, e a empresa parceira, a Bela Pedra, da cidade gaúcha de Gaurama, dará a contrapartida de R$ 60 mil. De acordo com o coordenador do programa, José Ferreira Leal, os valores devem ser disponibilizados pela Rede Brasil de Tecnologia, projeto dos ministérios da Ciência e Tecnologia e de Minas e Energia, até o final de 2004.

Predominam no Brasil as pequenas indústrias de lapidação por sistema artesanal. A despreocupação com a padronização das pedras gera incompatibilidade com a necessidade das indústrias brasileiras de jóias. A Bela Pedra é o empreendimento brasileiro mais próximo de alcançar essa tecnologia em lapidação, conhecida como RW. Ela já desenvolveu e está colocando no mercado um sistema completo de lapidação cabochão, em grande escala.

O dispositivo para a produção automatizada de pedras facetadas está em estágio experimental, utilizando o sistema Comando Numérico Computadorizado, ainda necessitando de recursos financeiros para a sua conclusão. Consultores e agentes do Programa em Rede do Arranjo Produtivo de Gemas e Jóias do RS, após inspeção nas instalações e experimentos da empresa, deram parecer favorável quanto à sua qualificação e competência para o desenvolvimento da tecnologia de lapidação facetada automatizada.
Resultado de imagem para reuniao fundo branco
A UNIVATES integra um grupo de instituições mobilizadas para a instalação de um Centro Tecnológico na área de gemas e jóias no Estado. O Programa é integrado pelos ministérios de Ciência e Tecnologia, Minas e Energia e de Desenvolvimento da Indústria e Comércio; da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (órgão federal), Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos, Ajorsul, Sindipedras, Sindijóias/RS, Fecomércio, Cooperativa dos Garimpeiros de Ágata de Salto do Jacuí, Cooperativa dos Garimpeiros do Alto-Médio Uruguai, indústrias de lapidação e artefatos minerais, fábricas de jóias e folheados, consórcios e empresas de exportação do setor.

O Programa pretende estabelecer uma visão completa da cadeia produtiva do setor de gemas e jóias, desde a pesquisa geológica, passando pela lapidação, ourivesaria, entre outros itens, com foco na agregação de valores aos produtos e geração de novos empregos. Leal salientou que é importante que os integrantes da cadeia produtiva de gemas e jóias esteja alinhado em torno do objetivo de trazer o centro tecnológico para o Estado. “A principal preocupação do Programa é que não haja a desagregação do setor no Estado. Na hora em que o Rio Grande do Sul consegue esse avanço, deve haver união”, disse.

 

Resultado de imagem para UNIVATES